Marcadores

domingo, 4 de janeiro de 2015

Artigo de opinião sobre o novo lema do governo brasileiro

(fonte da imagem: http://www.novoeste.com/index.php?page=destaque&op=readNews&title=Dilma+destaca+investimento+recorde+na+agricultura+familiar+em+2014-2015)

Olá a todos!

Em seu aguardado discurso de posse, Dilma Rousseff, que teve de enfrentar a corrida presidencial mais acirrada da nossa democracia, apontou um novo lema para o país: Brasil, pátria educadora. Ela também colocou como principais metas a democratização do conhecimento e a universalização do acesso a um ensino de qualidade em todos os níveis. Para alcançar esse objetivo, além de expressivos investimentos, serão necessários o comprometimento de todos os envolvidos na construção do conhecimento e um substancial aprimoramento nas políticas públicas do setor, que é um dos mais criticados pela população. 

Considerando o atual cenário da educação brasileira, redija um artigo de opinião sobre os efeitos do novo lema para o desenvolvimento da educação brasileira no século XXI. 

As 3 primeiras redações publicadas nos comentários serão corrigidas gratuitamente. 

Dilma põe educação em lema de governo e fala em extirpar corrupção

A presidente Dilma Rousseff definiu a educação como o lema de seu novo governo e reafirmou o compromisso de "extirpar" a corrupção durante o discurso de posse de seu segundo mandato, realizado na tarde desta quinta-feira (1º), no Congresso Nacional, em Brasília. 
"Nosso lema será: Brasil, pátria educadora", disse Dilma, que apontou a democratização do conhecimento como uma das metas de seu governo: "significa universalizar o acesso a um ensino de qualidade em todos os níveis".  
Segundo ela, ao longo deste novo mandato, a área começará a receber volumes mais expressivos de recursos oriundos dos royalties do petróleo. "Vamos continuar expandindo o acesso às creches, pré-escolas para todos, garantindo o cumprimento da meta de universalizar até 2016, o acesso de todas as crianças de 4 a 5 anos à pré-escola", relatou a presidente, que também citou avanços no Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), no Ciências sem Fronteiras e na educação em tempo integral. 
O lema do primeiro mandato de Dilma era "Brasil, país rico é um país sem pobreza". Mas, apesar da mudança, a presidente disse que o "Brasil vai continuar como o país líder, no mundo, em políticas sociais transformadoras". 
Dilma também dedicou boa parte de seu discurso, que durou cerca de 40 minutos, para criticar a corrupção.
"A corrupção ofende e humilha os trabalhadores, os empresários e os brasileiros honestos e de bem. A corrupção deve ser extirpada", disse ela, que propôs um "grande pacto nacional contra a corrupção, que envolve todas as esferas de governo e todos os núcleos de poder".
A Polícia Militar do Distrito Federal informou que cerca de 30 mil pessoas acompanharam as cerimônias de posse da presidente na Esplanada dos Ministérios. Esse público foi reduzido a 15 mil pessoas na Praça dos Três Poderes no final tarde durante o pronunciamento da presidente já empossada no parlatório. Dentro do Planalto, cerca de 3.000 pessoas, entre autoridades brasileiras e estrangeiras, acompanharam a cerimônia.
(fonte: http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2015/01/01/dilma-poe-educacao-em-lema-de-governo-e-fala-em-extirpar-corrupcao.htm)

12 comentários:

  1. Inovações ou mesmice
    Após as recentes notícias vinculadas à posse da presidente Dilma Rouseff, o assunto que mais vem causando polêmica é o seu novo lema ”Brasil, pátria educadora” que visa transformar a educação na “prioridade das prioridades” de seu atual governo, o que em minha opinião, já deveria ter entrado em pauta há muito tempo, mas como vivemos num país onde todos estão satisfeitos com a própria realidade esse assunto chegou tarde, mas não tarde de mais.
    Esse novo lema traz uma perspectiva animadora de reestruturação da política educacional que com certeza se planejada e executada com cuidado será extremamente eficaz, pois um povo inserido no meio educativo se torna mais crítico e adquire raciocínio lógico, isso gera um resultado em cadeia, que a meu ver, pode mudar a estrutura não só na instância social, mas na econômica e também na politica o que pode transformar todo o cenário em que vivemos.
    Há quem garanta que o programa será um grande fiasco devido ao desvairado volume de corrupção que circunda o governo brasileiro. E eles podem até estar certos, isso só o tempo dirá com certeza, mas ainda no mandato anterior a presidente deu total autonomia a polícia federal para escancarar esses esquemas e mais, nesse novo mandato ela atribuiu outro significado ao lema do governo que se baseia em trazer à tona os valores éticos que estarão presentes em todos os ministérios.
    O programa nos dará ferramentas para questionar o que antes não éramos, em conjunto, capazes e isso nunca nos foi oferecido. Acredito que o governo deva provar sua teoria, investindo nos professores, na estrutura das escolas básicas e aumentando ainda mais os novos programas e quando isso acontecer, saberemos que se pode confiar no governo da pátria educadora.

    ResponderExcluir
  2. Pontos a melhorar:

    - Evite aspas em expressões, como você fez em "prioridade das prioridades". Só prioridade estaria de bom tamanho;
    - Embora o gênero textual seja "artigo de opinião", evite utilizar a expressão "na minha opinião". Os corretores valorizam o uso da impessoalidade;
    - No final do primeiro parágrafo, você deveria ter escrito "demais";
    - Estude os usos da vírgula;
    - Você precisa ser mais específico. Na conclusão, por exemplo, você apresentou tópicos, mas não especificou que medidas serão adotadas. Você poderia ter dito o que deve melhorar na estrutura das escolas.

    Nota final: 5,6

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Desenvolvimento da Educação é uma questão de obrigação.
    Não se pode pôr em dúvida que, a educação é um setor que está diretamente ligado ao desenvolvimento de um país. Para tanto, no Brasil, essa área ainda é pouco privilegiada, haja vista que, desde o período do regime liberal populista, a educação é deixada em segundo plano, diante das áreas que recebem mais investimentos, como: energia e transporte.
    No governo PT, a educação vivenciou alguns avanços, por exemplo, o número de vagas das universidades federais e estaduais aumentou consideravelmente – comparado com a taxa de aumento do governo anterior –, e foram oferecidas mais oportunidades para o ensino profissionalizante e técnico (PRONATEC) e intercâmbios estudantis (Ciência Sem Fronteiras). Contudo, esses avanços não transformam a educação brasileira em um serviço de qualidade, uma vez que, esses projetos beneficiam uma parte pequena da população estudante, e o ensino básico – o mais importante e essencial – ainda é precário no País.
    Dados que demonstram a situação da educação brasileira podem ser observados com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Esse programa do governo avalia o ensino básico a partir de notas, que podem varia de 0 à 10, além de estipular metas a serem cumpridas ao final de cada dois anos. Porém, no último IDEB as notas relacionadas ao ensino do 6°ano ao 9°ano e do 9° ano ao ensino médio ficaram abaixo das metas do governo – vale ressaltar que as metas estipuladas pelo o governo são baixas para um país com o potencial de desenvolvimento do Brasil. Além disso, o governo estabeleceu um objetivo que é chegar à nota seis no ano do bicentenário da independência – 2022. Com base nesses fatos, é inaceitável que a educação no Brasil, seja tratada em um patamar tão ínfimo, digno de vergonha para toda população brasileira.
    Diante disso, compreende-se que, o governo da Presidente Dilma, tem um grande desafio a ser enfrentado ou pelo menos a ser iniciado com as reformas prometidas em seu discurso de posse para a melhoria do País com base na educação. Lembrando que esse projeto só será possível com a ação conjunta entre o governo federal e os governos estaduais e municipais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pontos a melhorar:

      - Escolha com mais cuidado as palavras. Troque "população estudante" por "estudantes";
      - Estude os usos da vírgula! A vírgula, por exemplo, nunca separa o sujeito o verbo, como a vírgula após Dilma no último parágrafo;
      - Você precisa abordar o tema de forma mais direta. Você escreve bem, mas comentou sobre os efeitos só na conclusão. Foque da introdução à conclusão nas palavras mais importantes do tema.

      Nota final: 5,4

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. “Brasil educador”
    O Brasil hoje ocupa o 79° lugar no IDH(índice de desenvolvimento humano), e um dos responsáveis por essa má colocação brasileira são os problemas presenciados na educação do país. No seu segundo mandato consecutivo a presidente Dilma prometeu mudar essa realidade e até criou um novo lema “Brasil educador”, porém, isso está longe de ser o começo de uma evolução, uma vez que os políticos brasileiros vivem de promessas.
    Em quase toda a proposta governamentais existe certa relação com a melhoria na educação, porém entram e saem partidos políticos e nunca se obtém uma melhora significativa nessa área, o que se vê são escolas em situações precárias, professores maus renumerados e famílias desiludidas de uma boa educação pública.
    As universidades brasileiras também passam por problemas, pois além de não serem o suficiente para atender a grande população brasileira, recebem em grande maioria alunos provenientes de escolas privadas pelo fato desses terem tido um ensino mais qualificado que os de escolas públicas, para tentar amenizar essa desigualdade o governo criou o sistema de cotas nas universidades, porém sabemos que essa ainda não é a medida mais adequada.
    No Brasil há alguns programas educacionais de objetivos interessantes, como por exemplo, o PRONATEC que é um programa nacional de acesso ao ensino técnico e emprego, no entanto o que deixa a desejar é a qualidade desses cursos, nos quais possuem uma carga horária muito pequena, materiais de baixa qualidade e professores pouco qualificados.
    Portanto, para o governo atual melhorar a educação brasileira, ele terá que investir fortemente nas escolas de ensinos médio e fundamental, principalmente no salário dos professores. Além disso, é preciso ampliar o número de universidades, que ainda não são o suficiente para o tamanho da população, e aprimorar programas como o PRONATEC, para que esse possa realmente formar profissionais capacitados para entrarem no mercado trabalhista brasileiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pontos a melhorar:

      - Estude os usos da vírgula;
      - Leia o texto motivador e vejo como se equivocou ao se referir ao novo lema no primeiro parágrafo;
      - Fique atento à concordância. No início do segundo parágrafo, por exemplo, você deveria ter escrito "proposta governamental";
      - O tema deve ser abordado de forma mais direta. Foque da introdução à conclusão nas palavras mais importantes do tema.

      Nota final: 4,5

      Excluir
  7. Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. De nada, jovem!
      Continue escrevendo para aprimorar a sua escrita.

      Excluir