Marcadores

sábado, 14 de junho de 2014

Proposta de redação sobre as DST


(Fonte: http://www.sakarolha.com/o-que-sao-dst/)


Olá a todos!

        A discussão de problemas sociais é um dos fundamentos do currículo da educação básica em nosso país. O Brasil, que ainda é um país subdesenvolvido, possui vários desses entraves para o desenvolvimento e o bem-estar de sua população. Nesse contexto, é importante que os egressos da educação básica sejam capazes de, além de discutir, propor propostas de intervenção para questões as quais necessitam de novos caminhos. Devido a isso, o debate das DST é fundamental.
Enfrentamos uma verdadeira epidemia de DST há décadas. Apesar de ser um problema grave, não tem recebido a atenção necessária por parte do governo e da sociedade. Preconceitos oriundos de visões distorcidas do problema e a falta de uma ação mais efetiva do Estado parecem ser dois dos principais pilares dessa epidemia.
Considerando os textos a seguir tem unicamente caráter motivador, redija um texto dissertativo-argumentativo sobre o tema O combate contra as DST no Brasil é uma guerra perdida? Apresente uma proposta de intervenção para o problema.

*As 5 primeiras redações postadas nos comentários serão corrigidas gratuitamente!

O controle das DST no Brasil

Nos últimos anos, principalmente após o inicio da epidemia de aids, as DST readquiriram importância como problemas de saúde pública. Entretanto, alguns fatos negativos têm sido percebidos no contexto da atenção às DST em nosso País:

● são escassos os dados epidemiológicos relativos às DST; apenas a aids e a sífilis congênita  são de notificação compulsória. Entretanto, raros são os serviços onde a notificação é  realizada de forma sistemática;

● os portadores de DST continuam sendo discriminados nos vários níveis do sistema de saúde. O atendimento é muitas vezes inadequado, resultando em segregação e exposição a situações de constrangimento. Tal se dá, por exemplo, quando os pacientes têm que expor seus problemas em locais sem privacidade ou a funcionários despreparados que, muitas vezes, demonstram seus próprios preconceitos ao emitirem juízos de valor. Essas situações ferem a confidencialidade, discriminam as pessoas com DST e contribuem para afastá-las dos serviços de saúde;

● a irregularidade na disponibilização de medicamentos específicos é mais uma das causas de  afastamento dos indivíduos com DST dos serviços de saúde. Isso ocorre por provisão  insuficiente ou pelo uso para tratamento de outras enfermidades;

● para muitas das DST, as técnicas laboratoriais existentes não apresentam a sensibilidade e/ou a especificidade satisfatórias. Pouquíssimas unidades são capazes de oferecer resultados de testes conclusivos no momento da consulta. Soma-se a isso o fato de que o sistema público  de saúde no Brasil apresenta reduzidas condições para a realização dos testes e  frequentemente os técnicos responsáveis estão desmotivados e/ou despreparados.

A consequência mais evidente dessa situação de baixa resolutividade dos serviços é a busca de atendimento em locais nos quais não seja necessário se expor, nem esperar em longas filas, ou seja: as farmácias comerciais.

As chamadas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) compreendem um conjunto de infecções distintas que têm em comum o fato de serem transmitidas pelo contato sexual. Cada uma das diferentes entidades clínicas que compõe o grupo das DST apresenta sintomatologia, prognóstico e curso próprio, requerendo estratégias específicas de prevenção, diagnóstico e tratamento.
Mesmo com o desenvolvimento de novos métodos diagnósticos e de tratamento, as DST continuam atingindo um grande número de pessoas, especialmente as mulheres, pelo fato de que muitas das DST não apresentam sintomas na população feminina. Além disso, as mulheres experimentam diferentes constrangimentos para o exercício da sua sexualidade, o que lhes dificulta incorporar práticas de proteção, e os serviços de atenção à saúde nem sempre estão aptos para lidar com a questão.
Embora a Organização Mundial de Saúde (OMS) reiteradamente busque estimar a magnitude das DST globalmente, de modo a fornecer aos governos parâmetros realistas para o planejamento de suas ações, é difícil conhecer, de fato, a prevalência das DST no mundo e em cada país, dada a fragilidade e inadequação dos sistemas de vigilância. No entanto, são relativamente conhecidos  alguns dos impactos das DST para a saúde sexual e reprodutiva de mulheres e homens e alguns dos impactos sócio-econômicos. Menos estudadas têm sido as repercussões das DST a nível psicológico,
da subjetividade e da sexualidade.
Segundo a OMS, as DST e suas complicações representam uma das dez principais causas de procura a serviços de saúde em países em desenvolvimento, respondendo por aproximadamente 17% das perdas econômicas relacionadas ao binômio saúde / doença.
O não tratamento ou tratamento inadequado da sífilis em gestantes responde por 25% da natimortalidade e ainda por 14% dos óbitos neonatais. Estima-se que entre as mulheres que tiveram gonorréia ou infecção por clamídia não tratadas, de 10% a 40% padecerão de doença inflamatória pélvica (DIP). Mulheres que tiveram DIP têm uma probabilidade de 06 a 10 vezes maior de ter uma gravidez ectópica, agravo que, em países não desenvolvidos, contribui com mais de 15% das mortes maternas.
Existe também uma importante sinergia entre as DST e a infecção pelo HIV. Portadores do HIV que também são portadores de alguma DST, por exemplo, apresentam um aumento da carga viral nas secreções. Além disso, segundo a UNAIDS, órgão das Nações Unidas responsável pelo enfrentamento da epidemia do HIV em âmbito global, o Herpes Genital (HSV) pode ser considerado o principal co-fator pela maior proporção de novas infecções pelo HIV.
Em que pesem a magnitude e a transcendência das DST e sua importância para a saúde das mulheres e o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos, o tema das DST não tem sido incorporado na agenda política do movimento feminista e dos movimentos que lutam pela saúde das mulheres com o mesmo vigor que outros, como o aborto, a morte materna e a infecção pelo HIV, embora, como apontado anteriormente, haja uma profunda conexão entre estes agravos. Aspectos do manejo político e programático das DST, das suas dimensões simbólicas, da organização dos serviços e das práticas em saúde podem ser relacionados ao relativo silêncio que circunda as DST.

(fonte: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/14_atencaoasdstemmulheres.pdf)

16 comentários:

  1. Há algum tempo atrás o povo brasileiro assiste, nos televisores de suas casas, propagandas que incentivam o uso do preservativo como proteção as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). Atualmente, já são inúmeras as formas da promoção da prática do sexo seguro pelo governo, podendo ser por folders explicativos, distribuição gratuita de preservativos, palestras educativas e a realização de exames clínicos gratuitos que possam verificar o aparecimento de alguma DST no cidadão, bem como o tratamento e auxílio psicológico. Essas atitudes configuram o Brasil como um dos melhores países do mundo na prevenção das DST.
    Hoje, o principal foco do Ministério da Saúde está nos jovens e adolescentes, que muitas vezes iniciam sua vida sexual sem ter sequer conhecimento dos riscos que estão se expondo. Isso é ainda mais perceptível nas comunidades rurais, onde muitas das famílias ainda não têm um meio de informar os filhos de forma correta. Talvez isso ocorra pela ausência de ensino formal de qualidade, ou até mesmo pela forma conservadora em que a educação é repassada, excluindo-se a hipótese de conversar com os filhos sobre o sexo, algo extremamente natural na vida de um ser humano.
    Em meio a esse dilema de falar, ou não, sobre o sexo no ambiente familiar, o governo decidiu levar a educação sexual em pauta nas escolas públicas. Os livros didáticos do Ensino Médio já incluem diversas informações que auxiliam na proteção do adolescente, que se encontra em período de descobertas em seu corpo. De certa forma, foi um grande avanço, tanto para a saúde, quanto para a educação da população de jovens, que antes encontrava um vazio, felizmente preenchido pelo conhecimento.
    É preciso que o Ministério da Saúde continue investindo em campanhas de educação ao povo, pois a prevenção ainda é a melhor forma de combate a essas doenças. Entretanto, é preciso que os programas de prevenção sejam atualizados com freqüência, a fim de aproximar os brasileiros da realidade em que o país se encontra. As práticas de sexo anal e oral, por exemplo, tornam-se cada vez mais populares no Brasil, porém os folders sobre as DST acabam se privando muito aos casais heterossexuais e a prática do sexo vaginal, o que deixa ainda algumas lacunas no combate as DST presentes no país.

    ResponderExcluir
  2. Júnior,

    Pontos positivos:

    - Conhecimento suficiente sobre o assunto;
    - Boa utilização de elementos coesivos;
    - Apresentação de uma proposta de intervenção.

    Pontos a melhorar:

    - Evite o uso de "atrás" depois da expressão "há algum tempo", pois isso gera, na norma padrão do português, redundância, o que pode te tirar alguns pontos;
    - Estude os usos do sinal indicativo de crase;
    - Faltou você responder de modo mais direto a pergunta do tema. Esse provavelmente foi o seu principal erro. Se a proposta de redação tem como tema uma pergunta, é primordial que você a responda de modo claro e direto por meio do seus argumentos. No seu texto, você argumentou e expôs boas informações sobre as DST no Brasil, mas não falou se era uma guerra perdida ou não. E esse tipo de equívoco, infelizmente, costuma comprometer substancialmente a nota dos candidatos.

    Nota final: 380

    Continue praticando!

    ResponderExcluir
  3. Recrutamento

    DST é a sigla utilizada para doença sexualmente transmissíveis, diagnostico que alguns anos atrás era considerado uma pena de morte, mas hoje não é essa a realidade e, apesar da grande dificuldade de conscientização da população, há a possibilidade de regressão do caso. Mas é evidente também, que a prevenção e o rápido diagnostico são as melhores armas nessa luta incansável.
    As ciências médica e farmacológica vem aprimorando a cada dia mais os recursos ao combate contra as doenças sexualmente transmissíveis, os remédios são mais eficientes, com efeitos colaterais cada vez mais brandos. A qualidade de vida do portador é algo que pode ser garantido hoje e isso não é só para, como muitos pensam, os privilegiados, aqueles de melhores condições financeiras, o Sistema Único de Saúde - SUS - disponibiliza desde centros de aconselhamento até exames e tratamentos sofisticados.
    Existem também diversas campanhas do Ministério da Saúde, onde é incentivado o uso de preservativo como a maior prevenção - esse que é distribuído gratuitamente em diversos postos de saúde - e de fato é, junto a isso, quando diagnosticada de forma precoce a DST tem um alto índice de regresso e essa é a chave principal, na área da saúde, para o combate a esse mal, que pode ser vencido.
    Apesar de ser de conhecimento geral que o sistema muitas vezes é falho, os recursos existem e esse não é o maior problema, a solução já existe, o que não existe ainda é a cultura de prevenção na população, a área social precisa ser lapidada, muitos encaram doenças como Aids, HPV e outras transmitidas sexualmente, de forma preconceituosa, chega ao ponto de alguns portadores sentirem vergonha de declararem isso e de procurarem assistência médica, o que acarreta em índices negativos de progresso e outros simplesmente não acreditam que um programa de saúde governamental possa ser eficaz.
    Portanto, a guerra não está perdida, as DST são remediáveis e os recursos para isso existem, o que se precisa é fazer um aprimoramento desses recursos, como, treinar mais profissionais para lidar com exames e diagnósticos ligados a isso e, por último, mas principalmente, fazer campanhas mais eficientes de conscientização da população, esclarecer que, até nos casos em que não pareça, as DST precisam ser tratadas com seriedade, uma ótima forma de executar isso é através das redes sociais onde se pode atingir as diversas faixas etárias, recrutando cada vez mais soldados para essa guerra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pontos positivos:

      - Conhecimento sobre o tema;
      - Apresentação de exemplos e argumentos de modo claro e objetivo;
      - Apresentação de uma proposta de intervenção consistente.

      Pontos a melhorar:
      - Fique atenta ao acento diferencial do verbo "vir" no plural. Na primeira linha do segundo parágrafo deveria estar escrita a forma "vêm";
      - Evite a escrita de parágrafos com um só período, já que isso costuma acarretar erros de pontuação e má conectividade entre as ideias. Você deveria, por exemplo, inserir o ponto final antes de "uma ótima forma de executar". Sugiro que você estude as regras de pontuação e, principalmente, leia textos prestando atenção em como os autores empregam a pontuação.;
      - O uso de onde como pronome relativo é restrito à referência de lugares, como em "a cidade onde nasci é maravilhosa". Dessa forma, você deveria ter escrito na primeira linha do terceiro parágrafo "em que" em vez de "onde".

      Nota final: 800

      Continue praticando!

      Excluir
    2. Obrigado!

      Continuarei acompanhando o seu blog :D

      Excluir
  4. ----A dissiminação das doenças sexualmente transmissíveis (DST) é um grave problema social, político e cultural, mesmo assim o governo brasileiro não está dando as condições necessárias para a resolução dessa situação. Contudo, ainda há tempo de transformar essa realidade, pois se o governo não está percebendo a urgência de agir, é papel do povo alerta-lo.
    ----As DST são vistas como pouco presentes na sociedade em geral, isso acontece pelo fato de grande parte dos contaminados ter medo de se expor e serem descriminados. Entretanto, elas atingem as várias camadas da sociedade, principalmente as mais desfavorecidas economicamente, pois não possuem acesso a serviço de saúde e educação de qualidade. Logo, essas pessoas estão mais sujeitas a contaminação e descriminação.
    ----Além disso, o governo não investe o suficiente em ações preventivas e de tratamento de DST, visto que os hospitais públicos do país não são capacitados para oferecer atendimento e tratamento especializado a portadores dessas doenças , isso facilita a propagação de enfermidades como a AIDS, gonorréia e sífilis.
    ----No ano de 2013 iniciou-se no Brasil diversas formas de manifestações sociais com objetivo de melhorar as condições humanitárias da população, como por exemplo os movimentos feministas e as manifestações para a melhoria da educação e saúde. Nesse contexto, essa é a oportunidade que o povo tem de enfatizar as consequências geradas pelas DST, assim o Estado dará maior prioridade a esse problema, por conseguinte investirá em soluções para amenizar seus impactos.
    ---Portanto, à vista dessa situação, se faz necessário a ação das massas populares, por meio de movimentos que objetivem convencer o Estado a tomar atitudes para aumentar o investimentos em áreas específicas da saúde e da educação visando a prevenção e o tratamento das DST. Além disso, é preciso a reeducação da sociedade, de forma que saibam se proteger e respeitem a dificuldade do próximo, assim evitando a descriminassão e agravamento do problema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pontos positivos:
      - Apresentação de uma proposta de intervenção consistente;
      - Conhecimento acerca do tema discutido;
      - Ótimo repertório de conectivos, como portanto, além disso, visto que...);
      - Boa organização das ideias.

      Pontos a melhorar:

      - Use acento em "alertá-lo";
      - A palavra "descriminado" é utilizada no sentido de inocente ou absolvido de um crime e "discriminado" é utilizada no sentido de diferenciar. No contexto em que você utilizou na segunda linha do segundo parágrafo, a palavra correta é "discriminado";
      - "discriminação" em vez de "discriminassão".

      Com exceção dos erros gramaticais, você escreveu um ótimo texto.
      nota final: 820
      Continue praticando.

      Excluir
  5. Nos lares brasileiros existem questões que em pleno século XXI ainda não são abordados com atenção, existem certos tabus na sociedade, o sexo a muito tempo é abordado muito tardio, deixando a sociedade com dúvida e a merce da sorte, contra um vilão que não tem cor, aparência ou classe social, é invisível aos nossos olhos.
    A polêmica do sexo existe em nossa sociedade devido à raízes da igreja, onde condenavam o sexo, o qual feito sem a finalidade de procriar é pecado, isso nos leva a uma questão histórica pois os pais não abordam estes temas porque quanto menos se sabe, talvez menos se faça. Porém a educação sexual deve começar em casa, em um ambiente confortável para que o adolescente possa tirar suas dúvidas, não em uma sala de aula com 29 pessoas prontas para tirarem sarro de qualquer coisa que fuja do normal, claro que nas escolas deve ser abordado, porém não deve ser o primeiro contato com este assunto.
    A guerra contra as DSTs no Brasil não está perdida, porém falta ganhar ela no ambiente familiar, pois políticas de incentivo ao uso de preservativo o governo já está fazendo, porém será em vão se o cidadão não tiver a total certeza do que está fazendo pois é grande o número de infectados que ficam sabendo em exames tardios, mostrando que existem dúvidas de como se contrai algumas DSTs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pontos positivos:

      - Apresentação de uma proposta de intervenção;
      - Discussão do tema de forma objetiva.

      Pontos a melhorar:

      - Fique atento à concordância nominal, já que você deveria ter escrito na primeira linha do seu texto "abordadAs" para concordar com questões;
      - A expressão correta na segunda linha do seu texto é "há muito tempo";
      - Sempre use uma vírgula antes de usar a conjunção "pois" em sentido explicativo;
      -Apresente ao menos mais um parágrafo no seu desenvolvimento para poder apresentar mais argumentos com mais consistência;
      - Como é um texto formal, evite o uso de expressões como "tirarem sarro".
      - Não se deve usar na norma padrão ela como objeto direto. Desse forma, você deveria ter escrito "ganhá-la" em vez de "ganhar ela".

      Nota final: 540

      Continue praticando.

      Excluir
    2. Obrigado!!!
      parabéns pelo seu trabalho

      Excluir
  6. ---As doenças sexualmente transmissíveis (DST) estão cada vez mais sendo disseminadas no país. E o governo vem apresentando campanhas de conscientização de forma recorrente. Porém, ainda se faz necessária a intensificação dessas campanhas.
    ---É notório o aprimoramento de pesquisas e medicamentos de combate às DST. Esse aprimoramento cresce à medida que aparecem novas oportunidades de estudo e recursos no campo da ciência.
    ---Com isso, aumenta também, a informação da população e a procura pelo tratamento adequado. Fazendo com que assim se reduza a porcentagem de infectados e também de transmissão.
    ---No Carnaval, as campanhas de conscientização do uso da camisinha para a prevenção do HIV são intensas. Porém, vale lembrar que existem várias outras doenças sexualmente transmissíveis, como por exemplo: o HPV, a sífilis, a gonorreia e a herpes.
    ---Com isso, vale então intensificar as campanhas e medidas preventivas durante todo o ano e não somente no Carnaval, assim como vale também criar campanhas de conscientização e informação sobre outras DST tão impactantes quanto a Aids. Para que assim se possa realmente ter uma população informada e segura.

    ResponderExcluir
  7. Pontos positivos:

    - Apresentação de uma proposta de intervenção;
    - Uso adequado de conectivos;
    - Conhecimento sobre o tema.

    Pontos a melhorar:

    - Faltou você aprofundar mais as suas ideias no desenvolvimento e também apresentar mais argumentos.
    - Em vez da expressão "vale então" utilize "é importante" e "é primordial".

    Nota final: 640
    Continue praticando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Fernando!
      Me tire uma dúvida? Para uma redação da Uerj estaria o suficiente?

      Excluir
    2. Olha. Isso depende de alguns fatores, como o curso que você quer faltar.
      Ademais, sou sincero, não conheço exatamente os critérios adotados pela UERJ na correção de redações.
      Há bancas, como a UnB, que descontam os erros gramaticais, ou seja, uma pessoa com 30 erros numa redação de 30 linhas perde 4 pontos, por exemplo. De um modo geral, acredito que você tem capacidade para tirar o mínimo, que provavelmente é 500.

      Excluir
  8. Fernando fidelix o que eu preciso para tirar 500 na redação do enem?

    ResponderExcluir
  9. Em relação ao combate das doenças sexualmente transmissíveis no Brasil observamos há grandes ineficiências, pois, o numero de indivíduos afetados por essas patologias tende a aumentar no decorrer do tempo, sendo mais notório na população juvenil. Essa tendência deve-se ao desconhecimento dos jovens em relação dos danos ocasionados por essas patologias, também a situação agravasse no momento em que inúmeros afetados negar-se a expor sua patologia pelo fato de temerem a descriminação.
    Lamentavelmente a desinformação domina sobre a população juvenil em relação a educação sexual, inúmeros adolescentes que sofrem com estas patologias as contraem devido ao desconhecimento sobre os problemas que ocasiona o patógeno, como diz o doutor Dráuzio Varella :´ O principal motivo é o comportamento sexual dos jovens. Eles acham que ninguém mais morre de Aids hoje, e que se pegar o vírus é só tomar o remédio que acabou e que está tudo bem ´, por isso é necessário que se fomente a educação sexual de forma eficiente no enzino publico, pois, com o aumento de uma população consciente haverá como consequência a diminuição de casos de DSTs.
    Outro grande problema que contribui para o aumento dessas patologias é a discriminação que sofrem indivíduos infetados, pois isso gera que inúmeros adolescentes não consultem a ajuda medica, ocasionando como consequência que estes jovens continuem tendo relações sexuais, assim contagiando a outros indivíduos, por tanto, é necessária uma mudança cultural para que assim haja um maior controle sobre os indivíduos infetados e assim garantir-lhes um tratamento adequado.
    Para combater eficientemente o aumento das DST é necessário que haja uma mudança em relação ao ensino, proporcionando aos estudantes a educação sexual, junto a isso, o ministério da saúde deve continuar com as campanhas de combate a essas doenças, fornecendo a população palestras educativas para que possa gerar-se a conscientização da população em relação aos perigos dessas patologias.

    ResponderExcluir